Bucetinha molhada engolindo a vara

Bucetinha molhada engolindo a vara

Bucetinha molhada engolindo a vara

E chegando la peguei uma garrafa de vinho e duas taças e servi pra ela e fui direto tomar um banho a deixando bem a vontade no meu quarto e quando sai do banho ela estava deitada na minha cama totalmente nua me esperando, na hora fiquei surpresa e abobada sem nenhuma reação, só fiquei uns minutos observando aquele corpo perfeito e aquele rosto de safada, passado o momento de espanto eu pulei em cima dela e beijei seus lábios carnudos e a segurei embaixo de mim, esfregando minha bucetinha na dela, que se arrepiava toda e soltava gemidos, comecei chupar e mordicar seus seios e ela soltando suspiros de prazer pedia pra que eu continuasse, eu querendo aproveitar o máximo daquele momento, a coloquei sentada na cama com as costas contra a parede e abrindo bem suas pernas comecei passar minha linguá na sua buceta que já estava molhada e latejando na minha boca, enfiei minha linguá com.

Tranzamos o resto do dia todo si que dessas vezes eu também chupava muito ela.

Logo senti ele usar dois dedos dentro da minha bucetinha, bem devagar e dizendo: “vou revistar essa sua xota sua putinha! vou ter que investigar porque ela tá tão molhada!!” e continuou agora com as duas mãos usando pra abrir bem de leve a minha bucetinha. Gabriel a pegava com firmeza pela cintura, metia com força, enterrava a rola inteira na namorada, sentia seu pau ser engolido pela bucetinha apertada dela. Levantou-se até a metade do pau, manteve mas logo seus joelhos fraquejaram tremendo e ela desceu engolindo o pau todo e inclinando seu corpo em direção ao volante. Apesar de ansioso pra tê-la logo, me deitei e comecei a contar como minha mãe tinha feito, o que conversamos, as posições, nossas reações e o quanto ficamos impressionados com tudo.

Continuamos a noite dota assim, agora pelo menos uma vez por mês recebemos nossos amiguinhos lá em casa e durante a semana assistimos filminhos para fantasiarmos mais….

Fiquei espantado com o tamanho do pau do João e acabei exclamando: -Nossa João que pauzão!.

A Luana abriu os olhos e sorriu e depois olhou para mim.