Nesse porno safada safada perfeita pegando a safada para tarado de dom pedro – ma

Nesse porno safada safada perfeita pegando a safada para tarado de dom pedro – ma

Nesse porno safada safada perfeita pegando a safada para tarado de dom pedro – ma

rn-que bucetinha apertada…tem minha nora putinha…goza na pica do teu macho…sua vadia…safada…goza…rnEle me dava uns tapas fortes na minha bunda que me fizeram gozar ainda mais gostoso…e rebolando com uma putinha tive um gozo maravilhoso gemendo alto de prazer.

ella mi olhou com cara de safada e fala agora minha vez foi abaixo minha cueca e começo a passa a lingua na cabeça do meu pau.

Sergio beijava minha boca e Pedro sugava meus seios e suavemente desabotoava meu cinto, se preparando para arrancar minhas calças.

Depois ficamos apenas nos olhando,talvez por segundos, o bastante para come-la com os olhos, com um olhar guloso e tarado. Peitos pequenos, uma cintura fina e (Deus!!!) tinha uma bunda maravilhosamente perfeita. Disse que não mentiria, que estava mesmo vendo pornografia e se masturbando, disse que era humana e que era uma mulher normal, com desejo, mas que recorria aquilo para não expor a família e porque não queria se envolver com ninguém, que era a única forma segura dela se satisfazer para não ficar doente, me disse que sexo era saudável e que deveríamos ver aquilo como natural porque todo mundo se masturba e de novo perguntou se eu me masturbava e disse que desde que meu pai morreu ela nunca mais esteve com um homem e o primeiro pênis ao vivo que ela havia visto neste tempo era o meu e me pediu para não contar porque não havia nada demais e me perguntou se eu também via pornografia, e eu, calado, fiz sinal com a cabeça que sim e ela me perguntou se era tão grave assim e eu falei pela primeira vez depois de surpreendê-la, dizendo que no meu caso era normal e no dela não porque ela era minha mãe, mas ela disse que no caso dela era muito mais normal, porque ela tinha vida sexual ativa e eu era virgem. Pegando o que restara da caipirinha no copo da Patrícia, soltou:– “Eu também estou com sede… Também tenho direito de beber nesse bar…”E derramando caipirinha sobre o ventre da Amanda, pos-se a chupar a boceta dela, servida agora com vodka também. Mas nesse dia ele estava diferente, me olhava fixo e as vezes perdia minutos parados todos na minha boca e minhas pernas.

Comecei a chupar aquele cu virgem a bucetinha, nem tão virgem assim descobri depois, até a safada gozar na minha cara e socar a parede.