Novinha safadinha de Brasilia rebolando no motel parte 1

visualizações

40 seg

Categoria:

Tag: , , , , , , , , , , , , ,

Novinha safadinha de Brasilia rebolando no motel parte 1

Novinha safadinha de Brasilia rebolando no motel parte 1

Como nossos corpo começaram a se encostar, comecei a me sentir incomodado e mesmo ela puxando assunto eu falei que iria sair.

Se você continuar eu vou acabar vomitando aqui.

Ela começou a conversar amenidades, sobre o que havia feito no fim de semana.

Ele cuspio no cuzinho dela, e foi colocando a cabecinha bem de vagar.

AAHHMMMM…AHHHH…ai tio …fode tua putinha novinha…e. Não nos beijamos, mas ela chupou a parte de baixo dos meus lábios, chupou com força que até doeu… olhou bem nos meus olhos e disse: “Isso não acaba aqui, filho da puta”…Ela – naoooo eu fiz coco nela !!A renata irmã dele olhou pra mim e falou – ah dessa vez eu não vou,Bom, não me orgulho disso, mas assim que o trem chegou eu dei um jeito de ficar atrás dela. Ela queria prolongar o máximo, então saiu da hidro, se enxugou e correu para a cama, onde ficou deitada, olhando para ele que se divertia com a massagem e fazendo sinais de que queria que ele fosse ter com ela. Certa vez em Belo Horizonte, quando ainda havia cinemas no centro da cidade, encontrei um executivo de Brasília-DF terno azul marinho e gravata vermelha no banheiro.

Eles ainda me fizeram gozar daquele jeito. Vou ter que parar pois vamos a um motel….

Continuei rebolando e ele meteu um dedinho dentro do meu cú, que tesão que me deu, comecei a rebolar mais freneticamente e ele meteu outro dedo, caralhoooooooooo que delicia, falei ta doendo mais ta gostoso , fode a sua putinha fode, foi a deixa.

Acato sua ordem e a inundo com uma dose de porra quente. Seu corpanzil fazia com que parecesse menor.

Nisso, eu comecei a acariciar o pau dele por cima da bermuda e ele falou:– nossa, alem ds gatinha é safadinha! Quem diria hein! Agora vai ajoelha ai pra mim e paga um boquete sua putinhaNessa hora eu tirei a bermuda dele (e o safado estava sem cueca!) e comecei a lamber tudo, e ele empurrava minha cabeca e ficava me xingando de tudo quando é nome. Garantimos a ela que, de nossa parte, nunca a esqueceríamos, e iríamos trocar endereços para escrevermos para ela.